UM BANHO TURÍSTICO EM PERNAMBUCO !

O mês de janeiro rima com verão e praias lotadas no Brasil. Os preços disparam e verdadeiros banhos de multidão nos surpreendem. Não estávamos acostumados com isso pois nossa passagem pelos outros estados, durante o inverno, foi bastante tranquila. Entre arquitetura colonial, ataques de tubarões, praias mais ou menos calmas, caminhos idílicos à sombra dos coqueiros e luxo em profusão, o estado do Pernambuco reserva grandes surpresas!

De 6 a 13 de janeiro de 2013
Praia de Coqueirinho (Paraíba) → Igarassu → Olinda → Recife → Praia Calhetas→ Praia Pontal de Maracaípe → Praia dos Carneiros → São José da Coroa Grande (Pernambuco)
317 km em 8 dias (Total: 6417 em 232 dias)
Por Vanessa, Terra Tributa

A BELA OLINDA

Passamos três dias em Olinda andando por suas abruptamente calçadas e visitando algumas de suas 20 igrejas barrocas. Uma beleza só! Fundam em 1535 pelos portugueses, destruída em 1631 pelos holandeses e reconstruída ao longo do século XVIII, o centro histórico dessa cidade faz parte hoje do Patrimônio mundial da UNESCO.

La belle ville coloniale d’Olinda et au loin, la capitale du Pernambuco, Recife

A bela cidade colonial de Olinda e, ao longe, a capital do Pernambuco, Recife.


L’église du Carmo située dans le centre historique d’Olinda est l’une des 20 églises qui font le charme de cette ville au bord de l’eau

A igreja do Carmo situada no centro histórico de Olinda é uma das 20 igrejas
que dão encanto a essa cidade à beira do mar.

Visitamos também alguns museus como o simpático Museu do Mamulengo. Único museu desse tipo no Brasil, ele compreende uma fascinante coleção de 1.000 bonecos antigos e contemporâneos. Ali aprendemos que o teatro de mamulengo tem grande importância na cultura do Nordeste, sobretudo no interior. A foto abaixo representa o célebre casal de bandidos dos anos 1920 e 1930, Lampião e Maria Bonita. Nosso guia nos informa que o cangaço foi uma forma de banditismo típica do Nordeste. Um verdadeiro fenômeno social no fim do século XIX e início do XX em resposta às grandes desigualdades sociais. Bandos armados se formavam em revolta contra os proprietários de terra e o governo, semeando o terror pelo sertão afora.

Lampião et sa femme Maria Bonita est le couple fétiche représentant la mémoire de cette époque mouvementée.

Lampião e sua mulher Maria Bonita formam o casal fetiche que representa a memória dessa época agitada.

Nossa estadia em Olinda se torna particularmente agradável graças a nosso amigo Dado do CouchSurfing. Mais uma vez, essa rede social de alojamento gratuito nos permite encontrar uma pessoa extraordinária! Dado abriu para nós as portas de seu novo e espaçoso apartamento à beira-mar. Jovem diretor de uma escola de dança e teatro que ele mesmo criou (Casa Mecane), Dado trabalha para valer. Apesar disso, passamos bons momentos com ele conversando até tarde da noite e cedo pela manhã antes de ele sair para o trabalho. Quando perguntamos se podemos voltar para a casa dele no carnaval, ele nos responde: “Vocês têm prioridade sobre os outros pedidos!”. De fato, não somos os únicos a procurar um alojamento em Olinda durante os dias dessa grande festa.

 Merci à Dado pour son chaleureux accueil !

Obrigado ao Dado pela sua calorosa acolhida!


ATAQUE DE TUBARÕES NO RECIFE

Deixamos Olinda a fim de chegar a Recife antes do trânsito da tarde. Temos alguns suores frios, mas logo encontramos uma ciclovia que costeia as praias da cidade. Ficamos um pouco surpresos com essa massa compacta de pessoas. Felizmente, a ciclovia é mais tranquila do que a praia!

Plage proche de Recife

Praia de Boa Viagem, perto de Recife

Nossa amiga Audrey tinha dito: “Quando estive em Recife, eu me banhava numa praia sujeita a ataques de tubarões!”. Desde os anos 1990, contam-se 56 vítimas de tubarões numa faixa costeira de cerca de 20 km (21 pessoas morreram dos seus ferimentos). Não achando essas informações muito tranquilizadoras, preferimos nos abster de banhos ali! Graças a um interessante documentário da National Geographic, “A invasão dos tubarões”, ficamos sabendo um pouco mais sobre esse problema complexo causado por diversas ações humanas (passadas e atuais) que degradaram e degradam a costa da capital.

6-Quotidien-Affiche-Attaque-Requins-Recife-Pernambuco-Bresil©TerraTributa (1)

Uma das principais causas desses ataques foi um abatedouro, hoje fechado, que lançava o resto das carcaças num rio da cidade, bem perto das praias… O desenvolvimento industrial, o tráfego marítimo e o aumento dos dejetos perturbam os ecossistemas ao redor da cidade (entre os quais a barreira de corais que protegia as praias dos tubarões) e modificam o comportamento dos tubarões. Um alerta para as graves repercussões de nossas ações sobre o frágil equilíbrio da natureza.

Vale notar que para cada morte de uma pessoa imputável aos tubarões, dez milhões de selachimorfos são mortos pelas pesca.


« QUE DEUS OS ACOMPANHE »

Continuamos a pedalar longe da cidade, de suas multidões e de seus tubarões, para acampar na beira da praia de Calhetas, recomendada por nosso amigo Dado.

Plage de Calhetas

Praia de Calhetas

Graças à família Bek, dormimos perto dessa praia mesmo se isso normalmente não é permitido. Os Bek acampam aqui há anos e fizeram amizade com os habitantes locais, inclusive a decana do lugar. Fazendo-nos passar por seu amigos, eles obtêm a permissão desta para que instalemos nossa barraca por uma noite. Ufa! A estrada de terra que teríamos que subir de novo (empurrando as bicicletas) não era muito tentadora nesse fim de dia. A família Bek, que é evangélica, faz uma oração para que Jesus nos acompanhe em nosso caminho. Com todos os “que Deus os acompanhe” que já recebemos desde o início desse périplo, estamos bem protegidos nas estradas “crentes” do Brasil!

Merci à la famille Bek !

Obrigado à família Bek!


DECEPÇÕES

Deixando a praia de Calhetas, dirigimo-nos à de Porto de Galinhas, um destino muito conhecido por suas piscinas naturais. A dificuldade de arranjar um alojamento a preço razoável e a visão da praia lotada de gente nos fazem virar nossas rodas para outros horizontes. Continuamos nosso caminho empurrando nossas bicicletas por uma estrada de terra que nos leva a um rio onde alguns barcos fazem a travessia. Apreciamos a tranquilidade do lugar nesse fim de dia. Bertrand se molha com prazer para tirar algumas fotos de Luciano lançando sua tarrafa, ao pôr do sol, sobre a praia quase deserta de Pontal de Maracaípe. Esse dia pontuado de decepções acaba bem num acampamento aos pés de um coqueiro!

Luciano lançant son filet traditionnel tarrafa

Luciano, um pescador local lançando sua tradicional tarrafa


CAMINHOS IDÍLICOS

Deixamos esse pequeno pedaço de paraíso numa jangada. Durante o dia, tomamos três barcos para atravessar os rios. Bem prático para quem usa os caminhos a beira da água.

Traversée d’une rivière sur un jangada, bateau typique du Nord-Est

Travessia de um rio numa jangada

Nossa passagem por essa plantação de coqueiros é um bom exemplo desses caminhos tranquilos. A estrada é arenosa, mas o quadro é idílico! Costeamos um oceano de águas turquesa onde recifes de coral nos convidam ao mergulho em apneia na maré baixa. Nadamos com os peixes na praia de Pontal de Maracaípe. Magnífica e, de brinde, muito menos turistas do que em Porto de Galinhas!

Plantation de cocotiers sur le bord de l’eau

Plantação de coqueiros à beira da água


LUXO EM PROFUSÃO

Um quadro idílico normalmente é inabitado. Um pouco mais longe, atravessamos diversos bairros ricos vigiados por guardas. Essas mansões de luxo nos surpreenderam particularmente. De um lado, o mar, do outro, o rio que serve de estacionamento aos numerosos iates… Brasil, terra de contrastes onde se alternam a pobreza extrema e a mais ostentatória riqueza.

D’un côté l’océan et de l’autre, la rivière servant de stationnement aux nombreux yachts

De um lado, o mar, do outro, o rio que serve de estacionamento aos numerosos iates

Ao sul do estado do Pernambuco, nosso livro de praias do Brasil nos convida a visitar nossa segunda extensão de areia quatro estrelas, a praia dos Carneiros. Outra decepção para nós… Em primeiro lugar, a viagem de barco para chegar a esse lugar custa três vezes mais do que as outras travessias. A seguir, chegamos numa praia infestada de restaurantes chiques onde é preciso consumir para poder gozar da bela vista. Continuamos nosso caminho, pois não seria ali que poderíamos montar nossa barraca. Aterrissamos finalmente do outro lado da praia num loteamento balneário e, já que a noite chega, montamos nossa barraca num terreno baldio, cheio de mato e lixo, entre os luxuoso chalés. É preciso admitir que temos uma vista privilegiada, o que nos permite admirar esse nascer do sol, o mais belo que já vimos na região Nordeste!

Lever de soleil sur la plage de Carneiros

Nascer do sol na praia dos Carneiros


TERRA FÉRTIL

Não temos apenas decepções na praia dos Carneiros. Deixando o recanto dos restaurantes chiques, temos a alegria de admirar um grupo de pequenos macacos ágeis e brincalhões, os saguis do Nordeste (Callithrix jacchus). Callithrix jacchus). Há muito tempo que não víamos animais selvagens! A região Nordeste é em grande parte uma vasta estepe semiárida povoada de árvores retorcidas de cactos (o sertão). Pudemos constatá-lo nos estados do Norte da região. Entretanto, há algumas semanas, pedalamos na longa faixa de terra fértil da costa dos estados do Sul (do Rio Grande do Norte à Bahia). Terra fértil rima com vegetação luxuriante, o retorno dos pássaros e dos animais. Para nossa maior felicidade! Infelizmente, a monocultura da cana de açúcar acarreta um desmatamento em grande escala que também pudemos constatar em nosso caminho.

Ouistitis du nordeste (Callithrix jacchus)

Saguis do Nordeste (Callithrix jacchus)

Honestamente, nosso banho de multidão no Pernambuco foi uma surpresa. Apesar disso, pedimos mais, pois voltaremos daqui a algumas semanas (15 horas de ônibus) para Olinda e Recife a fim de viver um dos carnavais mais coloridos do Brasil!

Publicités