O PARAÍSO AQUÁTICO DE BONITO

Esse pequeno recanto do Mato Grosso Do Sul é o lugar perfeito para quem ama água. A região está cheia de rios de águas límpidas, cascatas, peixe exóticos e florestas luxuriantes. Depois de duas semanas de campos agrícolas e calor, bem que merecemos alguns banhos nesse lugar que é um dos pontos altos do turismo ecológico no Brasil!

AS BELEZAS DO RECANTO ECOLÓGICO RIO PRATA

O despertador toca, 4 horas da manhã. Ontem, chegamos à cidade de Jardim e dormimos no camping municipal ao som dos urros noturnos de alguns macacos. O tempo de se espreguiçar, arrumar tudo, tomar café da manhã, filtrar água e começamos nosso dia junto com o sol. Reservamos uma excursão às 7h30 e temos ainda que percorrer mais de 10 quilômetros (parte em estradas de terra) para chegar à fazenda do Recanto Ecológico Rio Prata. Ao chegar lá, percebemos de passagem alguns nandus, uma espécie de avestruz. Um primeiro contato com nosso guia, um lugar seguro para as bicicletas, uma roupa de neoprene, uma máscara e um snorkel e estamos prontos para descobrir as águas límpidas do Rio Olho d’Agua e do Rio da Prata.

A natureza geológica da região repousa sobre camadas calcárias e fontes subterrâneas. O carbonato de cálcio age sobre as partículas em suspensão calcificando-as. Nas excursões, é preciso boiar sem tocar o fundo para manter essa água de uma transparência inacreditável.

Uma experiência mágica em companhia de centenas de peixes por cerca de 3 km!

NOSSO PRIMEIRO COUCH SURFING

Por hoje, chega de máscara e snorkel. Faz 35 graus, não é fácil pedalar os 30 km da volta. Chegamos antes do anoitecer à fazenda Arvoredo onde uma bela acolhida e um chuveiro nos esperam. Uma boa noite de repouso na barraca e o galo-despertador toca às 3h30 da madrugada. Saboreamos o café da manhã em companhia de Elizete e Cristenio. Muito obrigado!

Geraldo e Cristenio indo em direção aos pastos

Em 28 km, estaremos em Bonito. Vanessa está encantada com a ideia de se banhar na praia municipal. Nesse domingo, o lugar está cheio de gente e de peixes! A água não está muito quente, mas o rio Formoso é realmente bonito de se descobrir com suas árvores e sua vegetação subaquática.

Praia municipal de Bonito

Depois desse dia de descanso à beira d’água, pedalamos até o centro de Bonito. Vamos até a casa de Noslin Almeida, nosso primeiro anfitrião Couch Surfing. Noslin não está em casa, mas uma pessoa nos recebe e nos dá as chaves. Entramos assim no chalé de duas peças e meia para nossa primeira – e não última – noite!

Obrigado a Noslin Almeida por sua acolhida

Noslin é o diretor da Universidade Federal de Mato Grosso do Sul de Bonito há 3 anos. Ele vai e vem entre a capital do Estado, Campo Grande, onde mora com sua família e a pequena cidade de Bonito, com cerca de 20.000 habitantes onde trabalha na Universidade. Finalmente o conhecemos na terça à noite. Ele chega no chalé pouco antes das oito da noite e nos convida para um churrasco com seu colegas, precedido de um encontro político. Mês que vem, haverá eleições municipais em todo o Brasil. Um dos colegas de Noslin se apresenta como conselheiro e um dos dois candidatos à prefeitura de Bonito vem fazer um discurso para nosso grupo de 15 pessoas. Fato inusitado: não se pode abrir uma cerveja na presença de um candidato para que não pareça que a festa foi subvencionada por este. Quando ele sai, o churrasco começa e conversamos com Livia Alvarez Arriero que trabalha na agência de viagens Ygarapé Tour e se propõe a nos ajudar em nossas próximas excursões. No dia seguinte, Noslin parte para uma reunião em Campo Grande e deixa seu chalé para a gente pelo resto da semana. Obrigado, Noslin, por essa estadia em Bonito!

Apresentamos nossa expedição brasileira ao proprietário da Ygarapé Tour. Juca é um dos precursores da valorização do turismo ecológico. Hoje, há mais de 30 agências nessa pequena cidade! Fato único no Brasil, as excursões nessa região são regidas por diversas regras. Entre outras, é obrigatório estar acompanhado por um guia (há um curso para guias na Universidade local), os grupos não podem se muito grandes e há um número máximo de visitantes por dia para respeitar a capacidade de acolhimento de cada lugar. Juca Ygarapé nos dá de graça duas das atividades oferecidas pela agência.

MERGULHO E RAFTING NAS ÁGUAS DO RIO FORMOSO

Há anos que desejo descobrir o mundo subaquático e hoje esse sonho de mergulho se realiza. Vanessa conhece já essa sensação incrível tendo feito sua certificação em Honduras. Com o equipamento completo, começo minha descida com os olhos bem abertos. Respiro profundamente no regulador e os primeiros peixes me saúdam de passagem. Ajusto minha máscara e continuo a descida para me juntar a Vanessa, feliz como um dourado. A água é clara e as condições ideais para percorrer cerca de 200 metros debaixo d’água em 50 minutos de êxtase!

O célebre Dourado

À tarde, temos de transpor mais de 20 km de bicicleta para chegar à nossa segunda atividade do dia: a descida em rafting do rio Formoso. Por duas horas, navegaremos 8 quilômetros. Uma atividade refrescante com várias corredeiras e duas cascatas! O clímax do passeio foi sem dúvida o encontro com nossa primeira sucuri, de seis metros de comprimento! Impressionante mesmo durante sua sesta em volta de uma árvore. Quando encontramos Juca Ygarapé, ele nos mostrou um vídeo de uma sucuri de mais de 15 metros. Sua câmera de vídeo (e ele) estava a 5 cm da cabeça desse gigante! Obrigado ao Juca e a toda a equipe da Ygarapé Tour por essas experiências únicas!

Depois de uma semana de prazeres aquáticos, retomamos a viagem em direção a uma estrada de terra de mais de 100 quilômetros que contorna o Parque Nacional da Serra da Bodoquena. Estamos acompanhados pelo nosso novo amigo Rogério, um apaixonado por bicicleta que mora em Bonito e nos convenceu a fazer esse desvio pelas montanhas antes de chegarmos à imensidão do Pantanal.

Publicités