Deliciosa Argentina!

7 de agosto de 2012, Foz do Iguaçu
Guaraciaba→ Barracão→ Parque provincial Urugua-i (AR)→ Libertad (AR) → Foz do Iguaçu
270 km (Total: 2044 km, 59 dias)

Não hesitamos muito em tomar a rota pela Argentina, uma redução de mais de 100 quilômetros para chegar a Foz do Iguaçu no Brasil. Florestas, estrada com pouco trânsito e, além de tudo, reencontro as doçuras desse país visitado de bicicleta em 2007 : alfajores e mantecol… Hum, deliciosa Argentina!

Alfajores e mantecol

Alfajores e mantecol

Uma passagem na Polícia Federal do Brasil para obter nosso carimbo de saída, uma parada na aduana argentina para o carimbo de entrada e eis-nos na Argentina. De acordo com nossas informações a estrada é calma (verdadeiro), tem um bom acostamento (falso) e poucas subidas (falso). Um em três, melhor do que nada! A partir do momento em que atravessamos a fronteira, mudamos completamente de paisagem. A floresta subtropical nos rodeia e reencontramos as famosas araucárias. Além disso, passamos por diversas plantações de araucárias, coisa que nunca vimos no Brasil onde se plantam majoritariamente eucaliptos, árvores exóticas de crescimento mais rápido.

Araucárias

Também reencontramos o calor e os mosquitos na Argentina.

O que faremos para pedalar em temperaturas de cerca de 40 graus no norte do Brasil?

No fim do dia, pedimos a uma família um pouco de água e um lugar para montarmos nossa barraca. Mais tarde, já estamos conversando com eles e tomando um mate argentino. Eles nos falam da crise que afetou o país há mais de 10 anos, quando o peso argentino se equiparava ao dólar americano. Hoje, o câmbio está em 4,5 pesos argentinos para cada dólar canadense… Também nos explicam que essa parte da Argentina, a província de Missiones, fica um pouco isolada do resto do país. Por exemplo, a estrada asfaltada é uma novidade e a energia elétrica ali tornou-se disponível há cerca de 20 anos.

Obrigado à Família Gabriel

Essa jovem família que trabalha nos campos de mate e de tabaco construiu sua própria casa de madeira, aliás muito bonita. Parecida com aquelas que se encontram no Quebec. Não longe dali, começa o Parque Provincial Urugua-i. Essa parte da província de Misiones soube conservar suas florestas subtropicais em grande parte graças a suas numerosas zonas protegidas.

Túnel que permite a passagem de animais por cima da estrada

Continuamos nosso caminho em direção ao parque nacional de Iguaçu. Nossa intenção é tomar a estrada de terra de cerca de 40 quilômetros que atravessa o parque até Foz do Iguaçu no Brasil. Por volta do meio-dia chegamos à famosa estrada, mas constatamos que está em mau estado e que não conseguiremos atravessar o parque antes do anoitecer. Várias pessoas nos avisaram para não dormir no parque a menos que queiramos encontrar uma onça. Decidimos portanto tomar o caminho asfaltado, mais longo mas mais frequentado.

Bela estrada de terra, mas perigosa!

A estrada continua a subir e a descer, a temperatura é muito alta para nós. Sonho com água fresca. Sonho que se torna realidade quando chegamos ao posto de acolhimento do parque provincial Urugua-i. O guarda florestas nos informa que a cidade mais próxima fica a 50 quilômetros, mas que podemos acampar gratuitamente ali. Esse parque de 84.000 hectares foi criado em 1988 para compensar a perda de 8.000 hectares de floresta por causa da construção da barragem Urugua-i. Aproveitamos para molhar os pés no rio e caminhamos um pouco pelas trilhas do parque on acabamos tendo alguns encontros!

No dia seguinte, continuamos nosso caminho em direção ao Brasil. Outra jornada de sol e calor. À noite, chegamos ao camping municipal de Libertad, situado em frente ao lago Uruguai-i. Um espaço para camping bem cuidado e gratuito, delicioso para passar a noite.

Camping municipal de Libertad, situado em frente ao lago Uruguai-i

No dia seguinte, uma manhã de pedalada nos basta para chegarmos ao parque nacional de Iguaçu e à fronteira brasileira. Uma pequena passagem de 270 km pela Argentina que foi calorosamente agradável durante esses três dias e meio!

Publicités