As ruínas de São Miguel das Missões

17 de julho de 2012, Maravilha – Com 3 000 habitantes, a cidadezinha de São Miguel das Missões é a porta de entrada para descobrir as ruínas mais bem conservadas das missões jesuítas no Brasil. Um desvio de mais de 300 km para admirar São Miguel Arcanjo, um sítio histórico importante.

Ruína da igreja da Missão de São Miguel Arcanjo

HISTÓRICO DAS MISSÕES JESUITAS NO BRASIL

1608: Um punhado de jesuítas espanhóis se esforça para converter o povo indígena Tupi-Guarani fundando missões. Fato interessante e importante: os monges tentam conservar a cultura e a língua dos índios. Isso se traduz numa experiência religiosa, econômica e sociocultural sem precedente na história desses povos.

1687: Índios e jesuítas se estabelecem em São Miguel Arcanjo, após duas tentativas em outros lugares.

Por volta de 1720: As missões jesuítas conhecem seu apogeu com 30 comunidades representando mais de 150.000 índios espalhadas pelo Paraguai, Bolívia, Argentina e Brasil.

1735: Início da construção da igreja de São Miguel Arcanjo, de inspiração barroca, pelo arquiteto e monge jesuíta italiano Gian Battista Primoli.

1750: 6900 pessoas vivem em São Miguel Arcanjo. O tratado de Madri coloca as missões sob o controle do governo português. Os índios Tupi-Guarani não estão mais protegidos da escravidão.

1756: Um exército hispano-português ataca as missões e essa experiência social única termina de maneira trágica.

9 de dezembro de 1983: O sítio de São Miguel Arcanjo é inscrito no patrimônio mundial da Humanidade pela Unesco.

Ruínas de São Miguel Arcanjo : cotiguaçu

ALGUS ENCONTROS

Para nosso documentário sobre o Brasil, fazemos uma entrevista filmada com o historiador do museu, Diego Luiz Vivian. Muito interessante para melhor compreender a importância desse lugar histórico. Obrigado também a Fabiano Venturotti, chefe de serviço do Museu que fala francês e nos acompanhou nessa entrevista.

Antes de deixar esse sítio histórico, travamos conhecimento com uma das únicas pessoas da cidadezinha que fala francês, português e um pouco de guarani! Zoé Parisot, 23 anos e originária de Metz, na França, está aqui há dois meses para um estágio em turismo comunitário. À noite, ela partilha conosco seus conhecimentos e sua experiência em São Miguel das Missões. Ela menciona que hoje em dia há poucos Tupi-Guaranis vivendo ainda na região. Como povo nômade, seu número varia entre 100 e 200 pessoas. Quando estão no território, vivem a 30 quilômetros de São Miguel das Missões, na Aldeia Alvorecer (Koonju em língua guarani) numa reserva indígena.

Desde de 1978, um espetáculo de sons e luzes ocorre cada noite nas ruínas de São Miguel Arcanjo.

No dia seguinte, duas escolhas se oferecem para chegarmos a Entre-Ijuis, a estrada asfaltada ou uma estrada de terra. Apesar da ameaça de chuva, tomamos o caminho mais curto, o de terra!

Nada como ter alforjes impermeáveis!

Publicités